Adbox

lunedì 17 ottobre 2011

FÁBULA DO PAÍS DO ÁLCOOL E DA GASOLINA


Grazie a Il Mostra, condivido con voi questo divertente articolo scritto dallo scrittore brasiliano Célio Pezza e pubblicato nel blog di Jurema CappellettiA casa da Mãe Joana”. E’ in portoghese ma penso che non ci siano problemi per chi segue questo blog. In ogni caso qui troverete la versione tradotta in italiano



FÁBULA DO PAÍS DO ÁLCOOL E DA GASOLINA

Era uma vez, um país que disse ter conquistado a independência energética com o uso do álcool feito a partir da cana de açúcar. Seu presidente falou ao mundo todo sobre a sua conquista e foi muito aplaudido por todos. Na época, este país lendário começou a exportar álcool até para outros países mais desenvolvidos. Alguns anos se passaram e este mesmo país assombrou novamente o mundo quando anunciou que tinha tanto petróleo que seria um dos maiores produtores do mundo e seu futuro como exportador estava garantido.

A cada discurso de seu presidente, os aplausos eram tantos que confundiram a capacidade de pensar de seu povo. O tempo foi passando e o mundo colocou algumas barreiras para evitar que o grande produtor invadisse seu mercado. Ao mesmo tempo adotaram uma política de comprar as usinas do lendário país, para serem os donos do negócio. Em 2011, o fabuloso país grande produtor de combustíveis, apesar dos alardes publicitários e dos discursos inflamados de seus governantes, começou a importar álcool e gasolina. (Quem é inteligente e competente não fala, FAZ)

Primeiro começou com o álcool, e já importou mais de 400 milhões de litros e deve trazer de fora neste ano um recorde de 1,5 bilhão de litros, segundo o presidente de sua maior empresa do setor, chamada Petrobrás Biocombustíveis. Como o álcool do exterior é inferior, um órgão chamado ANP (Agência Nacional do Petróleo) mudou a especificação do álcool, aumentando de 0,4% para 1,0% a quantidade da água, para permitir a importação. Ao mesmo tempo, este país exporta o álcool de boa qualidade a um preço mais baixo, para honrar contratos firmados.

Como o álcool começou a ser matéria rara, foi mudada a quantidade de álcool adicionada na gasolina, de 25% para 20%, o que fez com que a grande empresa produtora de gasolina deste país precisasse importar gasolina, para não faltar no mercado interno. Da mesma forma, ela exporta gasolina mais barata e compra mais cara, por força de contratos.

A fábula conta ainda que grandes empresas estrangeiras, como a BP (British Petroleum), compraram no último ano, várias grandes usinas produtoras de álcool neste país imaginário, como a Companhia Nacional de Álcool e Açúcar, e já são donas de 25% do setor. A verdade é que hoje, este país exótico exporta o álcool e a gasolina a preços baixos, importa a preços altos um produto inferior, e seu povo paga por estes produtos um dos mais altos preços do mundo. Infelizmente esta fábula é real e o país onde estas coisas irreais acontecem chama-se Brasil.

***
L.I. usou a mentirinha acima para se enaltecer e eleger sua candidata. Jogou sujo, mais uma vez, pois sabia que, quando suas patifarias começassem a transbordar, seria no governo seguinte, deixando-o sem responsabilidade por tanta porcaria, ao menos diante dos eleitores que acreditaram nele. Por isso é preciso ser lembrado, sempre, de que ele é o principal causador tanto pela consequencia dos seus erros que começam a surgir, quanto pelos erros cometidos por sua sucessora, pois ele jurava que a atual presidente seria a melhor coisa para o país.

Não há nada pior do que essa gente mentirosa.

- Artigo de Célio Pezza, escrito em 13/10/2011 -
Show comments
Hide comments

5 commenti:

  1. Porque ao invès de so criticar o Brasil voce nao fala um pouquinho da sua maravilhosa e perfeita Italia que ta indo "pro buraco"?Sem maldades

    RispondiElimina
  2. Caro Anonimo,
    lungi da me l'idea di criticare, nel senso di parlare male, il tuo Paese che mi ospita. Anzi, se sono qui ci sarà un motivo,e se fosse così "ruim" come a volte sembra me ne sarei già andato, non credi?

    Quest'articolo, se vai a vedere bene, non l'ho scritto io, ma proprio un "brasileiro" come te che, oltre a conoscere il Brasile molto meglio di me, è anche uno scrittore affermato e conosciuto. Quindi se queste cose l'avessi scritte io, ignorante come sono, potrei capire il tuo disappunto, ma considerando che è stato scritto da una persona molto più intelligente di me, penso che qualcosa di vero in quello che ha raccontato ci sia.

    Inoltre, questo "racconto", se così vogliamo chiamarlo, è stato pubblicato in numerosi blog brasiliani, cioè fatti da persone brasiliane, che non hanno certo motivo di criticare il proprio paese, a meno che non ci sia una ragione per farlo.

    Per quanto riguarda la tua domanda, più che legittima, visto che sono uno straniero in terra straniera (come dire: Não cuspir no prato que se comeu), ti posso dire che mai ho parlato bene, per esempio, di Berlusconi o della classe politica che c'è attualmente in Italia, nè tantomeno ho detto che le cose in Italia vanno bene. Anzi, se vai a leggere bene troverai sempre il contrario.

    Il fatto è che l'Italia non va così male come molti pensano. Non va certamente bene, è chiaro, ma i "media" italiani, per qualche strano motivo, hanno la cattiva abitudine di nascondere alcune cose e di accentuare le notizie negative. Forse non ci credi, ma secondo alcuni specialisti del Financial Times o altri economisti l'Italia non sta così male come sembra. E se lo dicono loro io ci credo.

    Quindi, come te, quando trovo persone che parlano male del mio Paese io mi sento in dovere di dire "aspetta... guarda che le cose non sono come tu dici". E ti dirò una cosa: mi da molto più fastidio quando a dire queste cose sono proprio i miei connazionali che vivono qui in Brasile.

    Quindi qui non mi sentirai mai dire che la mia Italia è perfetta (meravigliosa forse sì, perlomeno per me). Perchè perfetta non lo è di sicuro. Come non lo è il tuo grande Brasile. C'è tanto lavoro da fare, sia da una parte che dall'altra. Ma non pensare che l'Italia e l'Europa in genere sia alla fine, perchè, anche se non ho le doti di chiaroveggenza, penso proprio che non sarà così.

    RispondiElimina
  3. ok,hai ragione,mi sono lasciata andare,anzi,ti chiedo scusa,perché alla fine la crisi è ormai globalizzata,e c'è da dire che in ogni paese c'è il bello e il brutto,dove più ,dove meno...Ti auguro fortuna e felicità!!

    RispondiElimina
  4. Reescrevendo "Uma fábula a álcool" (*)

    Por: Jesus Divino Barbosa de Souza(**)

    Pior que informação errada é informação distorcida e tendenciosa).(***)

    "Era uma vez, um país que disse ter conquistado a independência energética com o uso do álcool feito a partir da cana de açúcar.

    Seu presidente falou ao mundo todo sobre a sua conquista e foi muito aplaudido por todos."

    "Na época, este país lendário " (outra lenda dizia que ele era o pais do futuro) "começou a exportar álcool até para outros países mais desenvolvidos " (que hoje estão numa quebradeira danada).

    "Alguns anos se passaram e este mesmo país assombrou novamente o mundo" (mas nada se compara com o espanto dos liberalóides tupiniquins com o que estava por vir) "quando anunciou que tinha tanto petróleo que seria um dos maiores produtores do mundo e seu futuro como exportador estava garantido."

    Neste pais onde uma a parcela do povo que só trabalhava e não consumia, consumir era um privilégio de apenas uma parte deste povo, uma pequena classe média e a sua elite, e a maior parte de tudo que se produzia era para exportação.

    No pais onde apenas se produzia para exportação, e seu mercado interno era reduzidíssimo, agora tem mercado interno, pois uma parcela significativa do povo que só trabalhava e não consumia, agora que tem emprego e salário, e pode consumir.

    Consequentemente, ao aumentar o mercado interno a demanda por alguns produtos aumentaram e o governo deste pais, para suprir o mercado interno, teve que importar alguns produtos que ele tinha com sobra e exportava, pois afinal era principalmente para isto que se produzia.

    Hoje, "por força de contratos", este pais que tem a tradição de cumprir os seus contratos, pois também precisa que os outros cumpram os compromissos com ele, respeitando um velho brocardo latino, o Pacta sunt servanda, que significa "os pactos devem ser respeitados" ou mesmo "os acordos devem ser cumpridos", está acontecendo algo inusitado, pois para cumprir contratos ele tem que entregar álcool e gasolina vendidos quando o preço "de mercado" eram menores.

    E para atender a demanda interna que cresceu, quando muitos acreditavam ser impossível, agora tem que importar tais produtos e os preços de mercado agora são muito maiores.

    Porém, os mesmos liberalóides que sempre defenderam a privatização "ampla, geral e irrestrita", de preferência para os EUA, mas especialmente da "Petrobrax", agora estão todos cheios de "nhem-nhem-nhem" por conta do capital estrangeiro ter aumentado a sua participação no mercado de produção de álcool, que agora é etenol (ê ta nois!), que sempre foi privado. É bom lembrar que no ramo de petróleo eles não vê nenhum problema na participação extrangeira.

    E o fato deste pais, onde tudo era feito seguindo à risca o catecismo do novo liberalismo (mais conhecido por neoliberalismo, ou seja, um liberalismo roto e fedido que depois de remendado e perfumado muitos acreditam que é novo e cheiroso), agora fazer só um pouquinho diferente do que diz o dogmático catecismo, onde, existem muitos fieis, xiitas e fundamentalista, desta religião, o novo liberalismo, aparecem cada fábula fabulosa (a redundância é proposital), como essa que acabei de receber, que mais parece coisa de gente embriagada, também, com álcool.

    (*) Ver, abaixo, o artigo que motivou este post.

    (**) Jesus Divino Barbosa de Souza é blogueiro (http://jesusprev.zip.net e http://www.observatoriosocial.org.br/conex2/?q=blog/2913) e não suporta estas coisas idiotas, preconceituosas, despeitadas, distorcidas e tendenciosas, que "roda" pela internet.

    (***)Baseado em: "Pior que não dar informação é dar informação errada" de José Máximo Ramos.

    Continua em: http://www.observatoriosocial.org.br/conex2/?q=node/4849

    RispondiElimina
  5. Cadé a informação errada?
    Me diga, que eu não consegui achar.

    No http://www.observatoriosocial.org.br/conex2/?q=node/4849 escreveu: "(que hoje esta numa quebradeira danada)". Ei acho que a China, a India o Sul Africa não "estão numa quebradeira danada". Talvez eu seja errado, vai me explicar melhor.

    Leio também: "e a maior parte de tudo que se produzia era para exportação". Eu acho que Jesus Divino Barbosa de Souza esta bebo! O que exporta o Brasil alem de açucar, soja, mineiro e madeira? Ha! Talvez exporta a bobagem de Jesus Divino Barbosa de Souza.

    Além da bobagen de Jesus Divino Barbosa de Souza, pode me dizer quem ja viu o petroleo do pré-sal? Voce? O Lula Apedeuta? A Dilma Assaltante?

    O Brasil tem muito mai do petroleo pré-sal, Tem muito mais do açucar, tem muito mais do mineiro, tem muito mais da madeira roubada da mesma Ong quem falam de proteger a floresta.

    Tem un povo que fiz uma capital no meio do deserto em tres anos, tem um povo que trabalha quando recebe o justo salario, Tem um povo que é forte, nunca assustase-se do trabalho. Isso vai fazer o Brasil rico, não a mentira do petroleo que poderia, provavelmente, ser extraido aqui 20/30 anos.

    RispondiElimina