Adbox

giovedì 24 gennaio 2013

Dá com uma mão e tira com a outra II: Aggiornamento


Il mese scorso avevo parlato di un possibile ribassamento dei costi sulla bolletta elettrica. Un risparmio del 20%, come é stato promessa dalla Presidenta Dilma non é poco, ammesso che ciò avvenga realmente. Peccato però che é proprio di ieri la notizia  di una nuova tassa, proprio sulla luce, che inizierà a essere pagata dal 5 febbraio (guarda caso proprio a febbraio ci sarebbe questo sconto tanto declamato dal Governo petista). La tassa in questione é sul “rischio idrologico”, in pratica una tassa che si paga quando, in momenti de secca come adesso, le centrali brasiliane non riescono a produrre l’energia necessaria per il paese, e il governo é obbligato a comprarla dall’estero. E sembra inoltre che, nel caso le strutture idrologiche avranno bisogno di un ampliamento o ristrutturazione, sarà come sempre il povero Pantalone a pagare.

Gente furba i brasiliani, non possiamo negarlo.

Risco de seca vai passar a pesar na conta de luz do consumidor

Apesar de ter as tarifas reduzidas a partir do mês que vem, com a prorrogação dos contratos de concessão, o consumidor terá de arcar com um novo custo na conta de luz: o "risco hidrológico".
O termo técnico indica um gasto extra que ocorre principalmente em épocas de seca, quando a produção das hidrelétricas diminui e a empresa é obrigada a comprar energia no mercado livre (cujos preços não são regulados) para honrar seus compromissos com os clientes.
Nos contratos antigos, as elétricas tinham uma remuneração maior pelo serviço prestado. Por isso, ficava a cargo delas arcar com o custo da compra de energia se houvesse dificuldade para cumprir os compromissos.
Com a renovação das concessões, a tarifa vai cair, na média, 20%, segundo compromisso do governo. Porém, o consumidor passará a assumir essa conta maior se for preciso comprar mais energia no mercado livre.
A mudança passará a valer a partir do dia 5 de fevereiro, quando ocorre a revisão tarifária extraordinária das distribuidoras. É nesse dia também que o consumidor saberá se o desconto na tarifa realmente será o prometido.
Se houver necessidade de ampliação da estrutura ou qualquer novo investimento, o consumidor também terá que bancá-lo. Antes, porém, a Aneel terá de avaliar a necessidade do projeto.
Ainda não existe um cálculo estimado sobre o impacto do risco hidrológico ou dos futuros investimentos das elétricas sobre as tarifas. O consumidor irá descobrir o valor do reajuste anualmente, nas revisões tarifárias.
CENÁRIO DIFÍCIL
As chuvas dos últimos dias melhoraram ligeiramente o nível dos reservatórios das hidrelétricas do Nordeste, as mais críticas, mas as térmicas continuam ligadas no mesmo nível do início do ano.
Segundo o meteorologista do Climatempo Alexandre Nascimento, para atravessar 2013 com tranquilidade, o país deveria acumular 1.200 milímetros nas principais bacias do Sudeste, o que não vai acontecer, segundo ele, porque há indicações de que as chuvas estejam diminuindo.
Pelos seus cálculos, em janeiro a acumulação será de no máximo 350 milímetros e, somando fevereiro e março, serão mais 300 milímetros, bem abaixo do necessário.
Se os reservatórios continuarem baixos, há risco de o abastecimento em 2014, ano da Copa, ficar comprometido.
fonte: Folha.com
Show comments
Hide comments

2 commenti:

  1. E cosa ti aspettavi. Che ti davano la luce gratis, è il classico TOMA CÁ, DÁ LÁ. Credo che la frase napoletana, adatta alla bisogna, sia: "Cornuti e mazziati.

    Mentre questo avviene 15/20 aborigeni dell'età della pietra stanno bloccando i lavori per la costruzione della Centrale Idroelettrica di Belo Monte e di altre minori le quali risolverebbero i problemi energetici del Brasile per i prossimi 10/15 anni.

    E per parlare del meteorologo Alexandre Nascimento, che sicuramente assomiglierà come una goccia d'acqua al nostro Mago Otelma, mi sai dire un solo nome di meteorologo che abbia azzeccato le previsioni climatiche e del tempo, per periodi superiori alle 24 ore?

    RispondiElimina
  2. Il fatto é che io, chiamatemi pure cinico o pessimista, non credo una parola a quello che dicono i governanti, siano brasiliani o di altra nazionalità. Capisco che questa sia pura demagogia, ma il milione di posti di lavoro promessi da Berlusconi o lo sconto del 20% sulla bolletta della luce sono solo promesse illusorie per accapparare il favore di noi poveri contribuenti. Ma ci sono tante persone che credono ancora nelle favole e che dicono "Guarda la Dilma cosa sta facendo per noi!". Questo mi rende triste e anche un po' incazzato, perché se la gente aprisse gli occhi vedrebbe tante cose che qui non vanno bene. Invece, come sempre, sono io a non capire il Brasile.

    RispondiElimina