Adbox

lunedì 30 dicembre 2013

Bolsa brasileira tem a 2ª maior queda entre 80 países em 2013


Penso che non serva essere degli economisti per capire che c'è qualcosa in questo paese che non va.

O mercado de ações do Brasil foi, em 2013, um dos piores do mundo. O Ibovespa, referência da Bolsa de Valores de São Paulo, caiu 15,5% ao longo do ano.

Entre 83 índices acionários de 80 países monitorados pela agência Bloomberg, apenas um teve desempenho pior que o brasileiro: o da Bolsa do Peru, que despencou 24,4% (veja ranking completo ao final deste texto).

No outro extremo, a Venezuela liderou o ranking, com alta de 502,1% (o que não surpreende os leitores do blog Achados Econômicos; saiba mais). Em segundo lugar, aparece a Argentina, seguida por Gana e Paquistão.

Apesar de o ranking ser encabeçado por países não desenvolvidos, os emergentes mais importantes, como China, Rússia e México, além do Brasil, não foram bem.

Para quem investe em Bolsas de Valores, 2013 foi o ano de lucrar nos países ricos. As ações do G-7, grupo das sete nações mais desenvolvidas do mundo, tiveram uma alta de 27%, considerando a média simples dos principais índices desses mercados.

Já os emergentes conhecidos pela sigla Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) viram suas ações subirem apenas 2%, também pelo critério de média simples. Nesse grupo, a África do Sul (alta de 21%) e a Índia (10,6%) puxaram o número para cima, enquanto houve queda na China (-4,7%) e na Rússia (-1,2%), além do Brasil.

O Japão teve o melhor resultado entre as nações desenvolvidas. Suas ações dispararam quase 60% desde janeiro, acumulando sua maior alta anual dos últimos 41 anos.

Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones acumulava uma alta de 28,9% de janeiro até a tarde desta segunda-feira. O índice Nasdaq, referência para ações de tecnologia, avançou 39,5% no ano.

Na Europa, que está mergulhada em crise há pelo menos quatro anos, as Bolsas reagiram bem em 2013. Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha, quatro países que assustaram investidores nos últimos anos por suspeita de que dariam calote, tiveram neste ano alta acima de 20% em seus mercados de ações.

Também as grandes economias da Europa foram bem, com Alemanha e França subindo mais de 20% e Reino Unido acumulando 19%.

Destaques no Brasil

As maiores quedas do Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas do país, foram da OGX (-95%), que já não faz parte mais do indicador, e da MMX (-84%), duas empresas fundadas por Eike Batista. A primeira, de petróleo, entrou em recuperação judicial e já não pertence mais ao empresário.

Entre os destaques positivos, a Kroton, do setor educacional, liderou o ranking do Ibovespa, com alta de 71%, seguida pela Braskem (62%), da área química, e TIM Participações (54%), de telecomunicações.

Ranking mundial

Na semana passada, circulou pela internet um levantamento segundo o qual a Bolsa brasileira teria registrado o pior desempenho em 2013.

Tal pesquisa, no entanto, abrangia apenas 48 países. Não incluía, por exemplo, o Peru – esta, sim, a nação com maior queda – e foi feita antes de o ano acabar, de modo que houve trocas de posições daquela data até hoje.

Veja abaixo o ranking completo, com 80 países.

Principais índices de ações de cada país em 2013*

País                     Variação (%)
Venezuela               502,09
Argentina                 91,63
Gana                 80,56
Paquistão                 66,12
Japão                 59,28
Nigéria                 48,74
Costa Rica         48,08
Quênia                 47,29
EUA (Nasdaq)         39,5
Irlanda                 35,48
Finlândia                 34,6
EUA (S&P 500) 31,76
Romênia                 31,22
Qatar                 30,86
Arábia Saudita         30,38
Grécia                 29,55
EUA (Dow Jones) 28,88
Islândia                 28,75
Egito                  27,43
Espanha                 27,19
Dinamarca         26,44
Suécia                 26,25
Vietnã                 26,03
Botswana                 25,82
Alemanha                 25,48
Maurício                 24,42
Bélgica                 23,81
Noruega                 23,77
Omã                         23,3
Suíça                 22,94
Austrália                 22,08
França                 21,48
África do Sul         21,03
Portugal                 20,68
Luxemburgo         20,65
Itália                         20,53
Malta                 20,46
Bahrein                 20,3
Holanda                 20,21
Lituânia                 19,15
Reino Unido         18,76
Nova Zelândia         17,27
Letônia                 16,22
Taiwan                 15,16
Malásia                 14,87
Bermuda                 14,46
Canadá                 12,7
Sérvia                 11,91
Estônia                 11,7
Israel                 11,4
Índia                         10,57
Equador                 10,09
Áustria                   9,42
Jordânia                   8,85
Sri Lanka                   7,57
Panamá                   6,99
Eslováquia           6,78
Hong Kong           6,28
Croácia                   5,27
Namíbia                   3,98
Cingapura                   2,75
Marrocos                   2,49
Líbano                   2,05
Hungria                   1,94
Indonésia                   1,07
Cazaquistão           0,95
Filipinas                   0,75
Coreia do Sul           0,26
México                   0,04
República Tcheca  -0,41
Rússia                  -1,18
Polônia                  -1,67
Tunísia                  -2,63
Tailândia                  -3,79
Ucrânia                  -4,37
China                  -4,72
Colômbia                  -8,84
Chipre                -10,01
Jamaica                -10,31
Turquia                -12,06
Chile                        -14,09
Brasil                -15,5
Peru                        -24,4
* Fonte: Bloomberg

Fonte: UOL

Nessun commento:

Posta un commento